quarta-feira, junho 26, 2013

O povo está na rua esperando que façamos algo de positivo”, diz deputado Edvaldo Souza
Qua, 26 de Junho de 2013 04:49               JOSÉ PINHEIRO  

O deputado Edvaldo Souza (PSDC) propôs mudanças na Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014. Ele cobrou que mais recursos sejam destinados a área social, principalmente no cuidado aos dependentes químicos. Souza acrescentou que a hora de mudanças na LDO é esta.
“Temos o poder de fazer mudanças na LDO para as políticas de atendimento aos dependentes químicos. O povo está na rua esperando que façamos algo de positivo. O problema da Saúde em sentido nacional é a falta de dinheiro”.
O parlamentar governista disse ainda que apresentou uma proposta para a criação de um hospital para atender pessoas com envolvimento com drogas, entretanto, Edvaldo Souza frisou que não obteve respostas. “Tive o calado como resposta”.
Edvaldo Souza disse que alocou todos suas emendas às casas de apoio, como a Apae e a Associação Amigos do Peito.
Souza fez crítica ao Executivo quanto a não liberação das emendas parlamentares individuais. Pelo regimento da Casa, os parlamentares têm direito a R$ 100 mil de emendas, entretanto, os recursos nunca foram liberados.
Outro parlamentar da base do governo que manifestou indignação pela não liberação das emendas foi o deputado Luís Tchê. O pedetista frisou que irá apresentar uma PEC à Constituição do Estado para tornar impositivo a liberação das emendas individuais.
Na semana passado o deputado Manoel Morais (PSB), também da base de sustentação ao governo, reclamou a demora na liberação das emendas e chegou a frisar que a não liberação ‘causa constrangimento aos parlamentares diante de suas bases’.
O único parlamentar de oposição que se pronunciou sobre as emendas individuais foi o deputado Gilberto Diniz (PTdoB). Diniz frisou que os recursos das emendas não entram nas contas dos deputados e que são alocadas para àquilo que o parlamentar acredita ser necessário. “As emendas, nós nem pegamos nesse dinheiro. A gente só destina”, finaliza.

domingo, junho 23, 2013

Mais de 20 mil participam do Dia do Basta em Rio Branco em manifesto pacífico

Milhares de acreanos tomaram as ruas do centro de Rio Branco nesta sábado, 22, durante o Dia do Basta. A concentração ocorreu em frente ao Palácio do Governo e o evento ficou marcado para a história do Acre.

ManifestoRBo Acre 3
Manifestantes tomaram as ruas de Rio Branco (Foto: Fabio Pontes)

Pessoas de todas as fixas etárias levaram seus cartazes mostrando as variadas reivindicações. Uns protestavam a retirada do PT do poder, outros por saúde, segurança, concursos públicos, pavimentação de ruas e, vários pediam por Justiça em relação ao caso G7. Diversos grupos também aproveitaram o evento e pedia a volta do Telexfree, suspenso pela Justiça na semana passada.

Com gritos de “fora PT”, “Dilma, o Brasil precisa de Educação”, “o povo unido jamais será vencido”, “Polícia, Polícia, Polícia Federal prende todo mundo pra nação ficar feliz” e “Ei, Tião, cadê a Educação?” o momento mais marcante foi o Hino Nacional e o Hino Acreano cantado por milhares de manifestantes ao cruzarem do Primeiro Distrito ao Segundo Distrito da cidade.
bastatalita
Mais de 30 mil participaram do Dia do Basta (Foto: Talita Oliveira)

A jovem Marlúcia Souza, 24 anos, que protestava contra a corrupção, não escondeu a emoção na hora de cantar o Hino Nacional. “É a nossa pátria amada. É Brasil. Nós precisamos de um país melhor para nós e para nossos filhos e netos. Chega de corrupção. O povo quer melhorias”, disse.

basta1
Manifestante pinta os seios para o Dia do Basta (Foto: Talita Oliveira)
O percurso do Dia do Basta foi feito na Rua Porto Leal, Avenida Getúlio Vargas, Avenida Marechal Deodoro e a Avenida Ceará.
A maioria dos participantes do evento faz parte da Manifestação do Dia do Basta no Facebook.


Pedro Melo, 38 anos, levou a família para a manifestação. Com cartazes contra a corrupção e investimento na segurança e saúde, ele disse ter sido uma das melhores manifestações que já participou.

“Foi uma movimento pacífico onde puderam participar o público mais jovem e os velhos. Essa é a hora do povo se unir para pedir melhorias para o nosso Estado e país. Não podemos esperar. Devemos lutar”, comentou.



curagay
Classe GLBT participa de movimento (Foto: Arquivo Pessoal)
‘Cura Gay’

Muitos homossexuais participaram do Dia do Basta para protestarem sobre a “cura gay”. A Comissão de Direitos Humanos da Câmara aprovou na terça-feira, 18, o projeto de lei que determina o fim da proibição, pelo Conselho Federal de Psicologia, de tratamentos que se propõem a reverter a homossexualidade. O projeto é de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO).


Incidentes
Em manifestação pacífica e sem confronto com a polícia, porém, peequenos incidentes ocorrem durante o movimento. O mais agudo foi registrado em frente ao Banco Itaú, na Marechal Deodoro, quando algumas pessoas tentaram arrombar lojas. Pequenas bombas foram soltas no meio da multidão, mas ninguém ficou ferido.

sábado, junho 22, 2013



 
O deputado Edvaldo Souza (PSDC) disse na sessão desta quinta-feira, 20, que os produtores rurais do Estado do Acre necessitam de parceiros e não de multas por parte dos órgãos fiscalizadores. De acordo com o parlamentar, a produção agrícola do Acre ainda é considerada incipiente por conta da fiscalização “absurda” que os pequenos produtores enfrentam. Uma das alternativas para melhorar a vida do homem do campo, segundo o parlamentar, seria a realização de trabalhos educacionais ao invés de aplicações de multas.
“A nossa produção ainda é considerada incipiente por conta da fiscalização absurda dos órgãos competentes em cima dos produtores rurais. Os pequenos produtores sofrem e são prejudicados pelas multas que são aplicadas por esses órgãos, além de também prejudicar o crescimento da produção do Acre. Ao invés de multar o que deveria ser feito era um trabalho educacional de orientação junto ao homem do campo, isso facilitaria muito o trabalho deles, caso contrário teremos que fechar a Amazônia e entregá-la para os Estados Unidos já que não produzimos quase nada”, disse.