quinta-feira, junho 30, 2011

Atenção redobrada na estrada



Nesta sexta-feira tem início o badalado carnaval fora de época de Brasiléia onde milhares de pessoas estão sendo aguardadas.Os hotéis de acordo com as informações estão com suas reservas esgotadas e o jeito para quem vai participar do carnavale é se hospedar na casa de parentes ou de amigos.

Um alerta para todos aqueles que vão pegar a estrada. Uma operação tapa-buracos está sendo realizada e a presença de homens trabalhando na pista deve ser motivo de muita atenção.

Os remendos ao longo da estrada exigem do motorista muita habilidade e firmeza ao volante. A pista de rolamento em muitos trechos exige cuidado devido os altos e baixos ocasionados na operação tapa-buracos.

Dirija com prudência. Se divirta de forma sensata, seja tolerante, não esqueça da camisinha e bom carnavale.

Estudantes brasileiros pedem socorro na fronteira




Tenho sido um ferrenho defensor dos estudantes brasileiros da área de fronteira, que em sua maioria residem no município de Brasiléia e fazem faculdade na Bolívia.

Tudo estava indo muito bem para ser verdade a partir do momento em que o governo Boliviano exige que os brasileiros residam em seu território.

É evidente que cada País é soberano em suas decisões e aqui não vou entrar nesse mérito, muito embora na faculdade de direito tenha tido um grande mestre em direito internacional.

A questão diz respeito ao não cumprimento de acordos internacionais feitos com o governo brasileiro e em um desses acordos a Bolívia permite ou permitia que estrangeiros que moram em áreas fronteiriças poderiam morar no Brasil e estudar no País vizinho.

Diz o acordo em um de seus parágrafos: Considerando los históricos lazos de fraterna amistad existentes entre lãs dos naciones, Reconociendo que las fronteras que une, los dos países constituyem elementos de integración de SUS poblaciones, Reafirmando El deseo de acordar soluciones comunes com el objetivo de fortalecer El proceso de integración entre las partes, Destacando La importância de contemplar dichas soluciones em instrumentos jurídicos de cooperación áreas de interes común, como La circulacion de personas y El control migratório, Deciden celebrar um acuerdo para El permiso de ingreso, residência, estúdio, trabajo,seguridade social y otorgamiento Del documento especial fronterizo a extranjeros residentes em localidades fronterizas.

O trecho acima faz parte do acordo que deveria beneficiar ainda estudantes brasileiros residentes em Guajará-Mirim, fronteira com Guayaramerin, Cáceres, fronteira com San Matias e Corumbá, fronteira com Puerto Suárez.
Pelas exigências esdrúxulas do governo Boliviano deduz-se que o acordo foi rompido de forma unilateral.

Em Brasiléia residem cerca de 400 estudantes que estão pedindo ajuda e socorro a classe política. Fiz minha parte ao fazer a denúncia na Assembléia Legislativa e ao reiterá-la na sessão ordinária realizada naquele município.

Alguns encaminhamentos começam a ser tomados e a partir de agora é esperar por uma solução plausível para o caso. Porém, se faz necessário de forma imediata a intermediação dos nossos representantes no Congresso Nacional junto ao Ministério das Relações Exteriores.


quarta-feira, junho 29, 2011

Deu no Jornal A Gazeta


.

Edvaldo Souza denuncia discriminação de estudantes brasileiros em Cobija



PDF

Nelson Liano Júnior


A decisão do governo boliviano de determinar que estudantes brasileiros de medicina em Cobija tenham que morar no país contrariou o deputado Edvaldo Souza (PSDC). “As relações e os acordos entre os governos brasileiro e boliviano devem ser cumpridas.

Os acreanos que estudam medicina em Cobija não podem ficar refém de uma decisão unilateral. Sou contrário a essa decisão mesmo entendendo que é uma forma de movimentar a economia boliviana. Mas se existem acordos e não cabe uma decisão como essa em se tratando de estudantes pobres”, protestou.


Para Edvaldo os estudantes acreanos ficaram prejudicados e a medida precisa ser revertida. “Eles já têm muitos gastos com apostilas, livros e a mensalidade da faculdade. Alugar residência na Bolívia pode aumentar ainda mais esses custos operacionais. Nós como parlamentares devemos conversar com as autoridades bolivianas para revogar essa decisão”, finalizou.

Deu no Ac24horas

E-mail

Deputado denuncia que estudantes brasileiros estão sendo retaliados em Cobija

Ter, 28 de Junho de 2011 14:21

Cadê a diplomacia brasileira?

Mais uma vez a relação entre brasileiros e bolivianos está sendo questionada na Aleac. O deputado Edvaldo Souza (PSDC), denunciou durante a sessão desta terça-feira, 28, que os estudantes brasileiros que cursam medicina na cidade de Cobija, no Departamento de Pando, estariam sofrendo retaliações por parte do governo, que estabeleceu novas exigências aos acadêmicos brasileiros.

“Os estudante estão sendo perseguidos em Cobija. Muitos escolheram morar em Brasiléia, por motivos econômicos, mas os governantes bolivianos querem que eles fixem residência em Cobija, caso contrário, não terão os diplomas liberados pelo governo, na conclusão dos cursos”, denunciou Edvaldo Souza, lembrando que existem tratados entre os dois países que estão sendo desrespeitados.

Ray Melo, da redação de ac24horas – raystudio3@gmail.com

Aniversário de Brasiléia


Hoje a Assembléia Legislativa realiza uma sessão solene em Brasiléia por ocasião das comemorações dos 101 anos de existência do município. A data é importantíssima levando-se em consideração a nova fase vivida pela administração municipal e pelos munícipes.

Apesar de todas as homenagens, não me furtarei em defender os Brasileiros que estudam na Bolívia que estão enfrentando uma série de dificuldades impostas pelo governo Boliviano.

Mesmo sabendo da soberania de cada País( sou formado em direito) e tendo estudado direito internacional, não me furtarei em denunciar e defender os estudantes brasileiros.

Parcerias e acordos devem ser cumpridos. As decisões não podem ocorrer de forma unilateral.

Acredito que um bom diálogo pode pôr fim as decisões esdrúxulas que estão sendo tomadas do lado de lá.

A nova lei


Sei perfeitamente que estou em falta com as postagens aqui no blog. A luta tem sido grande e tem me sobrado pouco tempo. Mesmo assim, tenho me debruçado e estudado a Lei 12.403 do Código de Processo Penal que entra em vigor na próxima segunda-feira, dia 4.
.
Para muitos juristas houve um avanço considerável com as mudanças que foram implementadas, para outros, o sentimento é de impunidade com a frouxidão e as novas interpretações que devem ser dadas a nova lei.

Para se ter uma idéia, com a nova lei, pelo menos 200 mil presos deverão deixar os presídios do País.

Num País em que os presídios não ressocializam ninguém, muito pelo contrário, a saída encontrada foi coloca-los nas ruas.

São muitas as mudanças efetuadas. Continuo lendo e me aprofundando sobre o tema.
Já tem quem defenda que o crime compensa devido as fragilidades da nova lei.

Vamos aguardar. Continuo estudando para postar aqui uma análise mais detalhada e se possível didática e de fácil entendimento.

Até o próximo domingo posto por aqui as novidades. Uma coisa é certa: os advogados estão entusiasmados com a nova lei.

quinta-feira, junho 23, 2011

270 milhões de pessoas no mundo usaram drogas ilícitas em 2009



Estudo identifica que o Brasil é o maior mercado consumidor de cocaína da América Latina

Redação Época


O Escritório das Nações Unidas para Crime e Drogas (Unodc) divulgou nesta quinta-feira (23) o Relatório Mundial sobre Drogas 2011, com dados sobre a produção, consumo e tráfico de drogas em todo o mundo.

A organização estima que, em 2009, entre 149 e 272 milhões de pessoas – cerca de 6% da população entre 14 e 65 anos – consumiram algum tipo de droga ilícita ao menos uma vez no ano, em todo o mundo. A quantidade de usuários de drogas, isto é, pessoas que consomem substâncias ilícitas regularmente, está entre 15 milhões e 39 milhões de pessoas no mundo.

A maconha é, de longe, a droga mais consumida em todo o mundo. A organização estima que entre 125 e 203 milhões de pessoas no mundo consumiram a substância em 2009. A quantidade de cocaína e heroína consumida no mundo se manteve estável, mas o Unodc relata o aumento do uso de drogas sintéticas e o uso não medicinal de remédios.

O relatório não tem dados suficientes para estimar a quantidade de drogas produzidas, mas relata aumento na produção de ópio, e queda de 18% na produção de cocaína, principalmente na Colômbia. Segundo o relatório, o combate ao narcotráfico também cresceu. Entre 1998 e 2009, as apreensões de maconha, cocaína e heroína praticamente dobraram, e as apreensões de anfetaminas triplicaram.

O estudo identificou que a América do Norte, em particular os Estados Unidos, continua sendo o maior mercado de drogas do mundo. O principal problema da região é a cocaína: 37% dos usuários da substância no mundo vivem na América do Norte.

Brasil

Na América Latina, o Brasil é o principal mercado de cocaína, com cerca de 900 mil usuários da substância – 33% do consumo da droga na região. O país continua sendo um dos principais países de trânsito da cocaína que ruma para a Europa e os Estados Unidos.

A quantidade de apreensões de cocaína cresceu bastante no país, de 8 milhões de toneladas em 2004 para 24 milhões em 2009. Além disso, a quantidade de apreensões na Europa em que o Brasil estava envolvido passou de 25, em 2005, para 260 em 2009. O país também se tornou etapa de trânsito para a cocaína que entra na África.

sábado, junho 18, 2011

Deu no Globo


Ação contra golpe de mensaleiros
Ministros do STF se mobilizam para impedir manobra pela impunidade dos réus do mensalão

Carolina Brígido

BRASÍLIA - Um dos principais temores que rondam o ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, está sendo resolvido nos bastidores do Supremo Tribunal Federal (STF). Pelo menos seis ministros estariam dispostos a mudar o entendimento da Corte para evitar que, em caso de renúncia de réus com foro privilegiado, o caso deixe de ir a julgamento.

O processo foi aberto há quatro anos para apurar o esquema de pagamento de propina a deputados da base do governo Lula. Depois de ouvidos os depoimentos de mais de 600 testemunhas e produzidas centenas de documentos, tudo pode ser posto a perder se, na véspera da decisão final, os deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP) renunciarem. Eles são os únicos entre os 38 réus que ainda têm direito a foro especial e, por isso, o caso é mantido no STF. Em caso de renúncia, a regra é clara: o processo seria transferido para a primeira instância do Judiciário, com a possibilidade de ser totalmente refeito. A chance de prescrição dos crimes antes do julgamento seria grande.

Julgamento somente em 2012

Seis ministros ouvidos pelo GLOBO argumentaram que não se pode perder todo o trabalho em virtude de uma manobra dos réus. Portanto, mesmo que os dois parlamentares renunciem ao mandato às vésperas do julgamento, o grupo deverá ser julgado pelo plenário do Supremo. O relator calcula que o julgamento seja marcado para fevereiro ou março de 2012. Na quinta-feira, o processo tinha 213 volumes e 484 apensos. Só na parte dos volumes, há um total de 45 mil páginas.

A discussão sobre o que ocorre com o processo quando o réu com foro privilegiado renuncia ao mandato tomou conta do STF em outubro de 2007. Na véspera do julgamento, o então deputado Ronaldo Cunha Lima (PSDB-PB) renunciou. Barbosa, que também era o relator, ficou irritado. Alertou que a manobra poderia ser usada pelos réus do mensalão. Na época, ele recebeu apoio de três colegas: Carlos Ayres Britto, Cármen Lúcia e Cezar Peluso.


A competência desta Corte se limita ao julgamento daqueles que sejam titulares de mandato
No presente caso, a renúncia do réu ao seu mandato, no momento que incluída em pauta a ação penal, após todos estes anos de tramitação, tem a finalidade clara - e ao mesmo tempo espúria - de evitar o julgamento por esta Corte, que tem competência constitucional para julgar mandatários políticos - disse Barbosa no julgamento de 2007.


- Estabelecer tal precedente (a mudança de foro com a renúncia) nos levaria a praticar atos inúteis, quando esta Corte tem, a seu cargo, problemas gravíssimos que não encontram soluções rápidas e tão céleres quanto todos desejamos - ponderou Peluso.
Mas os outros sete ministros entenderam que o caso deveria ser transferido para vara criminal na Paraíba - o que aconteceu. Como o crime prescreveria naquele ano, Cunha Lima ficou impune. Ele respondia por tentativa de homicídio contra o adversário político Tarcísio Buriti desde 1995.

- A competência desta Corte se limita ao julgamento daqueles que sejam titulares de mandato. É uma competência estrita que não admite alargamentos. E, via de consequência, não sendo viável, não sendo possível reinstalar o acusado na condição de deputado federal, cargo do qual se apartou voluntária e irrevogavelmente, entendo que não subsiste a competência desta Casa - disse no voto a ministra Ellen Gracie, que presidia o tribunal.

Hoje, o plenário do STF é outro. Dois dos ministros que participaram do julgamento não estão mais na Corte. Além disso, ministros que votaram pela transferência do foro mudaram de ideia - especialmente levando em consideração o risco de impunidade. O caso só será discutido em plenário se houver renúncia por parte de João Paulo Cunha ou Valdemar Costa Neto. Como a questão pode ser examinada no futuro, os ministros não quiseram tornar públicas suas opiniões.

- Se houver renúncia no caso do mensalão, estarei disposto a rever minha posição - disse um dos ministros que votou de forma diversa em 2007.

Quando um processo muda de foro, muitas vezes as instruções são refeitas - especialmente os depoimentos. Com isso, é provável haver a prescrição dos crimes antes do julgamento. No caso do mensalão, a prescrição será definida a partir da sentença a ser dada pelos ministros em 2012. Isso porque, segundo o Código Penal, se for arbitrado a pena mínima, a prescrição tem tempo menor e, se for dada a pena máxima, possui prazo maior. Além dos deputados, são réus o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu e o publicitário Marcos Valério, entre outros.

sexta-feira, junho 17, 2011

Queremos paz!


Há alguns dias participei da manifestação em frente ao Palácio Rio Branco pedindo o fim da violência . Familiares, amigos e professores da FAAO organizaram o movimento depois que um aluno do curso Direito foi sequestrado nas imediações do estacionamento do estádio Arena da Floresta e barbaramente assassinado.

É mais um cidadão que perde a vida e entra para as estatísticas frias da criminalidade. Estamos perdendo a guerra para a violência. O sentimento de impunidade é latente e mais uma familia perde um ente querido.

A frouxidão das nossas leis, as questões sociais, os bolsões de miséria colaboram para que isso aconteça.

Precisamos de políticas públicas eficientes de inclusão social.

Projeto Oriente: Retrato do abandono











Estive no projeto de assentamento Oriente. Cento e oito pessoas tentam sobreviver naquela localidade abandonada por tudo e por todos. São brasileiros que cuidam da floresta mas que vêem seus direitos serem vilipendiados.
Produção incipiente, ramais intrafegáveis, abandono, descaso. Desse jeito estamos longe, muito longe de sermos um estado com vocação agrícola.

Falta de postagens


Nos últimos dias estive ausente do blog deixando de fazer algumas postagens. Muito trabalho e pouco tempo para essa atividade que tenho prazer em realizar. Vou tentar daqui para frente, sempre que possível, atualizar esse espaço.

Déficit habitacional


Se tornou corriqueiro a imprensa local noticiar que determinadas áreas da cidade estão sendo invadidas. Fica evidenciado nessas ocupações irregulares que temos um déficit habitacional que deve ser zerado. Fica claro também que o poder público tem que agir e diagnosticar quem efetivamente precisa de moradia e buscar uma saída plausível para cada caso. A questão da falta de moradias é acima de tudo uma questão de cidadania, uma questão social.

Continuo no PSDC


Em que pese algumas informações dando conta da minha saída do PSDC, tudo não passa de conjecturas. O PSDC continua firme e com um projeto já elaborado de fortalecimento da sigla em todo o Estado visando as eleições de 2012. É um trabalho de formiguinha que vem sendo realizado com competência por parte da direção do partido. O desenho, o esboço ou seja lá o que for está concluído. Podemos ser considerados pequenos, sigla de aluguel, nanicos ou outros adjetivos. Não tem problema. Nenhum partido já nasceu grande.

domingo, junho 05, 2011

O crime compensa?

Juiz critica nova lei de prisão preventiva
Postado por Edvaldo Souza



Com a autoridade de quem já bateu o martelo diante de Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado da morte do jornalista Tim Lopes, e dos irmãos Natalino e Jerônimo Guimarães, chefes da milícia “Liga da Justiça”, o juiz Fábio Uchoa, titular do 1º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro, abandona a habitual reserva para fazer um alerta. Para ele, a Lei 12.403/2011, que entra em vigor no dia 5 de julho e cria novas medidas para reduzir os casos de prisão preventiva, será um estímulo à impunidade, pois vai tirar do juiz o poder de manter na cela aqueles que deveriam ser apartados do convívio social.

Sancionada pela presidente Dilma Rousseff no início do mês, a lei altera 32 artigos do Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689, de 3 de outubro de 1941). Por isso, fez parte do pacote de nove projetos de minirreforma do código. Um dos trechos mais polêmicos é o artigo 313, que passa a só admitir a decretação da prisão preventiva nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a quatro anos.

Formação de quadrilha entre os crimes afetados

Agora, nos casos de crimes de formação de quadrilha, porte ou disparo de arma de fogo, furto simples, receptação, apropriação indébita, cárcere privado, corrupção de menores, coação de testemunhas no curso do processo, falso testemunho e vários outros crimes punidos com até quatro anos de prisão, ninguém permanecerá preso - só se for reincidente.

- Se a superlotação das cadeias não está sendo controlada, não podemos resolver o problema abrindo a porta das celas e botando os marginais nas ruas. A crise carcerária é uma questão de política pública. Não é para ser resolvida pelo legislador processual - lamentou Uchoa.

O juiz disse que a crítica não parte do titular do 1º Tribunal do Júri, espécie de para-raios de alguns dos mais graves casos de violência carioca, mas de um “cidadão preocupado”. Ele explicou que só resolveu se manifestar agora porque, até então, desconhecia a existência do projeto.

Motivada pelo princípio da presunção da inocência, a lei inova ao acrescentar, entre o conjunto de medidas cautelares alternativas à prisão, a extensão da fiança para crimes punidos com até quatro anos de prisão - situação que não era permitida desde 1940 pelo Código de Processo Penal. Em todos esses casos, o delegado poderá agora arbitrar fiança diretamente, sem análise do promotor e do juiz.

- Pela legislação atual, o juiz pode expedir mandado de prisão quando há indício de fuga do acusado. Porém, com a nova lei, ele perderá essa possibilidade. Terá de ficar em seu gabinete, esperando a apresentação espontânea do réu - disse Uchoa.

Para se livrar de eventual condenação, sustenta o juiz, bastará ao réu fornecer um endereço falso ou mesmo se mudar para outro lugar. Na impossibilidade de achá-lo, a Justiça não poderá dar continuidade ao processo e o crime ficará impune, garante:

- Que réu vai aparecer para ser processado?

Consciente de que, depois de passar pelo Legislativo e pelo Executivo, só resta aos magistrado aplicar a nova lei, Uchoa espera que a jurisprudência - interpretação reiterada que os tribunais dão à lei, nos casos concretos submetidos ao seu julgamento - minimize os seus efeitos.

O desembargador paulista Rui Stoco, integrante da comissão responsável pela minirreforma do código, explicou que o projeto foi proposto e aprovado para oferecer maiores garantias aos acusados e aos réus.

- Entendo perfeitamente as críticas do colega. Ele enfrenta uma realidade difícil, como titular de um tribunal do júri no Rio. Mas o que fizemos nada mais foi do que ir na esteira do que o Supremo já vem fazendo - afirmou Stoco.

Um dos pontos destacados pelo desembargador como avanço da minirreforma é a instituição de medidas cautelares alternativas à prisão preventiva - são mecanismos usados pelo juiz no processo para garantir a devida condução da investigação criminal.

Desembargador diz que fiança inibe o criminoso

Alguns exemplos das novas medidas cautelares, garantidas pela nova lei, são o monitoramento eletrônico, o recolhimento domiciliar no período noturno, a suspensão do exercício de função pública ou de atividade econômica, a proibição de viajar e de frequentar lugares ou de manter contato com pessoas, determinadas pelo juiz.

- A realidade das pessoas nas cadeias do Brasil é tenebrosa. Mais grave ainda é saber que dois terços estão lá sem sentença definitiva. Portanto, a prisão preventiva só deve valer para casos excepcionais - argumentou.

A prisão preventiva continua a ser a medida prevista para os processos que envolvam crimes mais graves, praticados com dolo e puníveis com pena de reclusão acima de quatro anos.

Stoco disse que, enquanto a reforma ampla do código não chega, a opção do legislador foi valorizar a fiança como uma das opções à prisão.

- Como vai doer no bolso, o réu passará a ter mais cuidado - sustentou.

Autor(es): agência o globo:Chico Otavio
O Globo - 30/05/2011
Surrupiado do Diário de um juiz

Deu na Tribuna


Para Edvaldo Souza, “começou a canalhice”

Revoltado. Assim ficou o deputado estadual Edvaldo Souza (PSDC) depois de ler em um site matéria revelando que a provável candidatura dele para prefeito de Rio Branco estaria provocando um racha na Frente Popular. Ele assegurou que o material tem como agentes da notícia figuras conhecidas dos chamados partidos nanicos. “Figuras que não conseguem encher um fusca com os votos que dizem ter”, arrematou.

Edvaldo lembrou que nunca afirmou, nunca disse a quem quer que seja que é candidato a candidato a prefeito de Rio Branco. “Porém, as citações em torno do meu nome apenas fazem com que eu desempenhe com afinco e responsabilidade o mandato que me foi outorgado pelo povo acreano”, frisou.

De acordo com o deputado, “a canalhice e o mau caráter, infelizmente estão infiltrados na política como um verdadeiro câncer que se propaga através da multiplicação de células doentes e vai se espalhando. Não tenho conhecimento de nenhum fato dos que foram mencionados na reportagem. As afirmações que foram feitas partiram exatamente daqueles que a todo custo querem se tornar autoridade, mesmo sem votos, e sem saber fazer a distinção do que é um sujeito, predicado e verbo”.

Para Edvaldo, são aleivosias que fazem parte da pistolagem vernacular nesses tempos, que mesmos distantes ainda, antecedem às eleições do próximo ano. “Como urubus em cima da carniça essas figuras carimbadas, sem liderança e sem nenhuma postura política buscam tirar proveito de situações usando o nome de pessoas honestas. É lamentável que partidos com história na política nacional estejam sendo comandados e desviados de suas funções básicas”, destacou.

Segundo o parlamentar, quem o conhece sabe muito bem que não ele não é de barganhar, de extorquir, de pegar propina, de assediar pessoas em busca de dinheiro, em busca daquilo que é fácil. “Foi por isso mesmo que estudei a minha vida inteira concluindo três cursos de nível superior para não depender de terceiros, de cargos, de favores do poder público”, desabafou.

Por último, Edvaldo lembrou que desde que assumiu como deputado na Aleac conversou apenas uma vez com o governador Tião Viana, e mesmo assim foi uma conversa sem formalidades. Faz questão de afirmar sempre que a relação dele com o governo é de respeito. “É por isso que quando o Carioca expulsa da sala dele algumas figuras obcecadas por cargos no governo está coberto de razão. Canalhas não merecem respeito”, concluiu o deputado.

sexta-feira, junho 03, 2011

Edvaldo Souza propõe internet via satélite para eliminar apagões na web
SEX, 03 DE JUNHO DE 2011 16:37 RESLEY SAAB, DO SITE AGAZETA.NET

Em audiência na Aleac, deputado exigiu soluções das empresas para cortes frequentes

Edvaldo Souza, que é presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, questionou serviços de telefonia (Foto: Agência Aleac)O deputado Edvaldo Souza (PSDC), presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa, exortou as companhias telefônicas e administradoras de serviço de internet a melhorar o sistema e eliminar os constantes apagões na rede no Estado. A audiência aconteceu nesta sexta-feira, 3, no auditório da Aleac.

“Não podemos ficar reféns de cabos de fibra ótica que vivem quebrando em Rondônia. Toda vez é a mesma ladainha e está na hora de dar um basta nisso”, afirmou o parlamentar, em audiência com representantes do Programa de Defesa do Consumidor, o Procon, da Agência Nacional de Telecomunicações, Anatel e das empreas de telefonia móvel.

Os técnicos da Anatel também fizeram uma longa exposição do funcionamento do sistema no Acre.

Para o deputado, “é preciso criar mecanismos para resolver o problema”. “A minha sugestão é que as empresas adotem sistemas muito mais eficientes, como por exemplo, a internet via satélite ou via rádio”, enfatizou presidente da Comissão. Há empresas que já vem oferecendo internet via satélite há vários anos no Acre, com eficiência.

“A população se sente desprotegida com os serviços de telefonia, não sabe nem a quem reclamar. As opreradoras operadoras e a Anatel devem ter consciência dos prejuízos que temos”, ressaltou o parlamentar.

Começou a canalhice


Acabo de fazer a leitura da reportagem no AC24horas dando conta de que minha candidatura a prefeito provocaria um racha na frente popular do Acre. Uma reportagem que tem como agentes da noticia figuras conhecidas dos chamados partidos nanicos. Figuras que não conseguem encher um fusca com os votos que dizem ter.


Nunca afirmei, nunca disse a quem quer que seja que sou candidato a candidato a prefeito de Rio Branco. Porém, as citações em torno do meu nome apenas fazem com que eu desempenhe com afinco e responsabilidade o mandato que me foi outorgado pelo povo acreano.


A canalhice e o mau caratismo infelizmente estão infiltrados na política como um verdadeiro câncer que, se propaga através da multiplicação de células doentes e vai se espalhando. Não tenho conhecimento de nenhum fato dos que foram mencionados na reportagem. As afirmações que foram feitas partiram exatamente daqueles que a todo custo querem se tornar autoridade, mesmo sem votos, e sem saber fazer a distinção do que é um sujeito, predicado e verbo.


São aleivosias que fazem parte da pistolagem vernacular nesses tempos, que mesmos distantes ainda, antecedem as eleições do próximo ano.


Como urubus em cima da carniça essas figuras carimbadas, sem liderança e sem nenhuma postura, política buscam tirar proveito de situações usando o nome de pessoas honestas.


É lamentável que partidos com história na política nacional estejam sendo comandados e desviados de suas funções básicas.


Quem me conhece sabe muito bem que não sou de barganhar, de extorquir, de pegar propina, de assediar pessoas em busca de dinheiro,em busca daquilo que é fácil.Foi por isso mesmo que estudei a minha vida inteira concluindo três cursos de nível superior para não depender de terceiros, de cargos, de favores do poder público.


Nesses meses de mandato como deputado estadual conversei apenas uma vez com o governador Tião Viana, uma conversa sem formalidades. Minha relação com o executivo é de respeito.


E para finalizar, quando o Carioca expulsa de sua sala algumas figuras obcecadas por cargos está coberto de razão. Canalhas não merecem respeito!