sábado, abril 27, 2013


Brava Gente - O incansável Ilson Nascimento

“O único segredo é dedicação”, diz o radialista Ilson (Foto: Angela Peres/Secom)
“O único segredo é dedicação”, diz o radialista Ilson (Foto: Angela Peres/Secom)
















De segunda a sexta, o jornalista Ilson Nascimento chega às cinco e meia da manhã ao seu posto, na Rádio Difusora do Acre. Lá, estão apenas o vigia e o operador técnico.
Inicia sua jornada dando continuidade à tarefa que iniciou na noite anterior. E conclui a escolha das pautas que estarão no noticiário das seis, com boa audiência em todo o estado, especialmente entre a população rural, madrugadora.
Mas acordar cedo é  com ele mesmo. Trabalhar muito também. Aprendeu com o pai, que, seringueiro, às duas da manhã já estava de pé.
Ilson nasceu no Seringal Novo Cateto, em Xapuri, e embora tenha saído de lá aos sete anos, teve gravado em si o ensinamento fundamental da natureza: “O cheiro da floresta você não esquece nunca. Sempre que posso volto pra lá, gosto de encontrar os amigos e dormir na paxiúba. Aquilo me faz muito feliz”, relata.
Não é apenas com a Mãe Natureza que Ilson cultiva uma especial relação de afeto. Todos os dias visita sua mamãe e, se por algum motivo falha, ela logo telefona e dá bronca: “Tu não tem mais mãe não, hein?” É assim dona Irene, 82 anos e cheia de energia.
E ainda há Bruna Jorgete – nome charmoso, não? –, sua esposa há quase quatro décadas, mãe de seus três filhos. “Tenho quatro netos lindos e gosto de passear com eles no fim de semana”, diz Vovô Ilson.
Uma das características de Ilson é a gentileza. O especial cuidado no trato com o outro, que, no trabalho, apresenta-se no zelo com um ambiente agradável. “A gente se encontra logo cedo e é aquela alegria e brincadeira no café da manhã aqui na rádio”, diz, todo satisfeito.
Está na Difusora há 25 anos, como coordenador de jornalismo. Começou na profissão em 1972, como revisor do jornal “O Rio Branco”, a convite de José Chalub Leite. Seu Ilson é, inclusive, personagem de várias histórias do legendário jornalista, no livro “Tão Acre”. “Ele me ensinou muita coisa”, diz, fazendo coro com boa parte dos jornalistas acreanos de meia-idade.
O Estado do Acre já reconheceu oficialmente o trabalho de Ilson Nascimento (Foto: Arquivo Secom)
O Estado do Acre já reconheceu oficialmente o trabalho de Ilson Nascimento (Foto: Arquivo Secom)
Dos momentos mais marcantes de sua vida profissional, seu Ilson se lembra da cobertura do funeral do governador Edmundo Pinto, assassinado em 1992. “Aquele momento foi muito emocionante, era muito difícil falar da morte brutal daquele homem que sempre vinha à rádio nos visitar e brincar com a gente”, conta.
Para contrabalançar, há os casos de humor. Diz que na Difusora, sempre muito utilizada como mensageira pelo povo do interior, muitas vezes sem acesso a telefone e a outros meios de comunicação, a regra é ler a mensagem sem fazer alterações no texto original solicitado. Assim, às vezes os resultados soam engraçados, como o do rapaz que mandou dizer para a família que quebrou três costelas, mas estava “passando muito bem”.
Outro capítulo relevante na biografia de Ilson foi quando recebeu a medalha de Mérito Profissional, em 2004, concedida a servidores públicos exemplares do Acre. “É muito bom ter nosso trabalho reconhecido, isso nos rejuvenesce”, afirma.
Aos 63 anos, as histórias para contar são muitas. A mais recente é a da aposentadoria. Mas será que agora ele vai parar? “Parar por quê? Eu adoro trabalhar, me sinto um meninão, não dói pé, não dói nada!”, responde. E segue sua rotina.
Agora são oito da noite. Com as pautas já encaminhadas para o dia seguinte, ele finalmente volta para casa. Amanhã às cinco e meia da matina tem mais.

Fonte:Agência de noticias do Acre

quinta-feira, abril 25, 2013



Edvaldo Souza defende a regularização fundiária de bairros da Baixada da Sobral

E-mailImprimirPDF
O deputado Edvaldo Souza (PSDC) se reuniu esta semana com moradores dos bairros Bahia Nova, na Baixada do Sol, para garantir as mais de 500 famílias que moram na região que estas serão atendidas pelo Programa de Regularização Fundiária encabeçada pelo Governo do Estado, através do Instituto de Terras do Acre.
O parlamentar foi o autor da Indicação Parlamentar que proporcionou a regularização de 565 lotes no Caladinho, em Rio Branco. Para ele, a titulação dos imóveis trará cidadania. Ele garantiu aos mais de 200 moradores presentes no encontro, de levar ao prefeito da Capital a reivindicação.
“Todos sabem que uma das prioridades do  Estado e município é a regularização fundiária. Portanto, tenho certeza que essa reivindicação dos senhores será atendida pelo prefeito Marcos Alexandre. Para tanto já estou protocolando junto a Mesa Diretora da Aleac  uma Indicação que será encaminhada ao prefeito’’, disse.
O engenheiro civil, Assur Mesquita, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Gestão Urbana também participou do encontro. Ele ressaltou que a reivindicação do parlamentar será atendida o quanto antes.
Finalizando a reunião, o parlamentar fez anotações de todas as demandas que lhe foram feitas. “Eu faço isso todos os dias. Meu contato com os moradores dos bairros é diário seja na televisão, na Aleac ou mesmo  indo até suas casas’’, enfatizou.
Ainda para Edvaldo Souza, o empenho do governador Tião Viana (PT) deve ser levado em consideração ao atender as reivindicações da comunidade. Para ele, Tião Viana tem se dedicado para tornar o Estado um lugar melhor para se viver ao levar cidadania. “Eu destacaria dois projetos importantes de Tião Viana. O Programa Ruas do Povo e a Regularização Fundiária, isso é fundamental para garantirmos qualidade de vida aos mais pobres”, finalizou.

quarta-feira, abril 24, 2013

Deu no site Contilnet


Política
24/04/2013 16:01 - Atualizado em 24/04/2013 16:05
Edvaldo Souza recebe garantias de regularização do bairro Bahia Nova
Edvaldo esteve reunido com a comunidade do bairro Bahia Nova no último fim de semana durante uma reunião realizada na escola Francisco Oiticica.
Deputado Edvaldo Souza/Foto: Assessoria Aleac
Deputado Edvaldo Souza/Foto: Assessoria Aleac
O líder do PSDC na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), que esteve no último fim de semana reunido com moradores da Baixada da Sobral, comemorou nesta quarta-feira (24) o fato de ter recebido da Prefeitura de Rio Branco as garantias de regularização fundiária do bairro Bahia Nova.

“Essa é uma prioridade do Estado e do município e um sonho das pessoas que ainda não estão com seus terrenos regularizados, e fico feliz que os moradores do Bahia Nova estejam a caminho dessa conquista”, diz.

Edvaldo esteve reunido com a comunidade do bairro Bahia Nova no último fim de semana durante uma reunião realizada na escola Francisco Oiticica, onde apresentou solução para a demanda da regularização fundiária e tomou notas de outras reivindicações da comunidade.

Estiveram presentes à reunião cerca de 200 pessoas.

Edvaldo Souza diz que como o deputado mais bem votado na Capital, está ciente da imensa responsabilidade que tem de legislar por esta população e que por isso fez questão de ir pessoalmente até o bairro Bahia Nova levar a solução para o problema.

Souza foi à reunião acompanhado do representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Gestão Urbana, engenheiro Assur Mesquita, subsecretário da pasta, que garantiu o pronto atendimento da reivindicação feita  pelos moradores através do deputado.

domingo, abril 21, 2013




               Visita ao Bahia Nova


Atendendo ao convite que me foi feito por moradores do bairro Bahia Nova, principalmente a Associação de Moradores, aproveitei o final de semana para me reunir com a comunidade e ouvir  de cada um os problemas vividos por quem mora na chamada periferia de Rio Banco.
As reclamações não diferem de outros bairros da cidade. A segurança é o principal item cobrado em toda reunião.
- Por favor seu Edvaldo Souza peça mais policiamento pra cá. A gente não aguenta mais tanta violência, disse dona Maria da Paz.
O policiamento tem que ser intensificado naquela região. As patrulhas inibem a ação marginal.
Mas o foco da reunião foi em  torno da regularização fundiária do bairro que existe há dezoito anos sem que nenhum trabalho de documentação dos imóveis tenha sido realizado por lá.
Me prontifiquei  em interceder pela comunidade e para tanto convidei para a reunião o subsecretário Municipal de Desenvolvimento e Gestão urbana, Assurbanipal Mesquita, que garantiu que o bairro será uma das prioridades tendo em vista que a regularização de imóveis é uma das metas do prefeito Marcos Alexandre.
Fico feliz quando vou aos bairros.  Muita gente boa, gente humilde desprovida das macaquices e rasteiras que vemos comumente no ambiente da política.
Por falar em regularização, os bairros Jorge Lavocat e Montanhês também serão contemplados pelo programa de regularização fundiária do governo do Estado. Para tanto fiz minha parte protocolando indicação na Aleac nesse sentido.

sexta-feira, abril 19, 2013



Motivos pra comemorar


Deputado Edvaldo Souza (PSDC), que tem pautado seu mandato pelas ações voltadas à regularização fundiária na capital e no interior do Estado, comemora a entrega dos títulos definitivos das 568 famílias do bairro Caladinho.
 Foto: Odair LealFoto: Odair Leal

Reivindicação que deu frutos

A concessão dos títulos aos moradores do local, feita pelo governador Tião Viana, começou, segundo Edvaldo Souza, por reivindicação sua junto ao governo.

Indicações

Animado com o resultado, o parlamentar do PSDC apresentou mais duas indicações solicitando a regularização fundiária dos imóveis dos bairros Jorge Lavocat e Montanhês.

Sonho acalentado

Nos dois locais, mais de 1,5 mil famílias acalentam o sonho de receber do governo estadual o título definitivo de suas casas.

Pedido aceito

Edvaldo adiantou à coluna que seu pedido foi aceito pelo governador do Estado, Tião Viana, e pelo diretor do Instituto de Terras do Acre (Iteracre), Glenilson Araújo, que irá iniciar o cadastramento das famílias para a devida regularização.

Gratidão

"Para minha felicidade, minha solicitação foi atendida pelo governador e pelo diretor do Iteracre, que já iniciou o processo de cadastro para a regularização", disse o apresentador do Gazeta Alerta.

quinta-feira, abril 18, 2013


Deputado Edvaldo Souza comemora regularização fundiária no Acre


    edvaldo170413Em pronunciamento na tribuna durante a sessão desta quarta-feira, 17, o deputado Edvaldo Souza (PSDC) disse que tem pautado seu mandato com ações voltadas para regularização fundiária das casas de alguns bairros de Rio Branco. O parlamentar lembrou e voltou a comemorar a entrega dos títulos definitivos das 568 famílias do bairro do Caladinho, que após seis anos morando naquele bairro a comunidade que surgiu de uma invasão de terras celebrou no mês passado o novo começo de suas histórias ao receber das mãos do governador Tião Viana (PT) o Título de Concessão de Direito Real de Uso.
    A conquista se deu pela luta do próprio parlamentar que levantou a bandeira da regularização e teve suas reivindicações atendidas.
    O deputado informou que apresentou mais duas indicações, desta vez solicitando a regularização fundiária dos moradores do bairro Jorge Lavocat e do bairro Montanhês. No total são mais de 1.500 famílias que sonham com a entrega do título definitivo de suas casas. Ele adiantou que o pedido foi aceito pelo governador do Estado e o Instituto de Terras do Acre (Iteracre) que irá iniciar o cadastramento dessas famílias para a devida regularização.
    “Eu tenho pautado meu mandato nesta Casa pela regularização fundiária e o primeiro passo desse processo foi dado quando tratei da questão das famílias do bairro Caladinho que agora estão com seus títulos definitivos sem nenhum problema. Desta vez apresentei duas indicações pedindo a regularização fundiária dos moradores do bairro Jorge Lavocat e Montanhês. Para minha felicidade meu pedido foi atendido pelo governador e o Iteracre que já iniciou o processo de cadastro para a regularização”, disse.
    O parlamentar relatou que o mesmo processo está sendo feito com os moradores do bairro Boa União. “Esse mesmo trabalho vem acontecendo no bairro Boa União, as famílias daquele local já estão sendo cadastradas para que a regularização seja efetivada. Essa é mais uma ação importante e eu estou muito feliz por saber que o governador está sensível a esta causa e que o Iteracre está fazendo o seu dever de casa regularizando essas áreas que antes eram consideradas irregulares”, complementou.
    Quanto à situação dos moradores do bairro Novo Cruzeiro que estão ocupando uma área de terra na entrada da estrada de Porto Acre e que vieram a Assembleia Legislativa buscar apoio parlamentar em relação a uma ordem judicial de reintegração de posse, o deputado disse que antes de ser um caso de polícia é uma questão social. Segundo ele, a questão deve ser imediatamente resolvida levando em consideração que todo brasileiro tem direito à moradia de acordo com a Constituição.
    “Vejo o caso dos moradores do Novo Cruzeiro como uma questão social antes de ser um caso de polícia e deve ser resolvido imediatamente levando em consideração que todo brasileiro tem direito a moradia de acordo com a nossa Constituição. Enquanto nós gastamos milhões com os haitianos e eles ainda reclamam da comida, nós deveríamos resolver a situação desses 150 acreanos que estão buscando um lugar para morar”, concluiu.
    Mircléia Magalhães
    Foto: J. Simão
    Agência Aleac

    quarta-feira, abril 17, 2013


                Invasão Novo Cruzeiro


    Eu sou daqueles que acredita que são poucas as pessoas que ocupam uma área de forma irregular apenas por ocupar. É evidente que no meio de um determinado grupo  pode existir aqueles que procuram um pedaço de terra para fazer especulação no futuro, e cabe ao estado fazer o diagnóstico de quem é quem numa invasão e identificar todos os que precisam de  um teto para morar.
    A  questão  do déficit de moradias deve ser levada em consideração. Todo  cidadão quer um lugar para abrigar sua família da chuva e do sol.
    Esse caso da invasão Novo Cruzeiro é bem peculiar. São  cento e cinquenta famílias em uma área de cinco hectares. Houve o mandado de reintegração de posse e a qualquer momento esses acrianos podem ficar ao relento, na rua da amargura.
    Acredito que é o momento dos técnicos das áreas social e habitacional do estado e município  entrarem em ação e buscarem uma solução que não seja policial para o caso.
    O momento é de cadastrar todas as famílias e saber o perfil de cada uma delas. A partir daí apresentar soluções práticas  para que os sem teto sejam  contemplados por alguns dos programas habitacionais do governo.
    O caso não é de polícia!
    A questão é social!


    sábado, abril 13, 2013

    Quase 100 ações questionam poder de investigação do MP, diz Supremo 
    Tribunal deve continuar em breve julgamento de recurso sobre o tema. Promotores fazem protestos pelo país contra limitação do poder do MP..
    Mariana Oliveira Do G1, em Brasília 

    Dados do Supremo Tribunal Federal (STF) atualizados no começo de abril mostram que pelo menos 98 processos judiciais em tribunais pelo país pedem o fim de inquéritos ou ações penais em casos nos quais a investigação foi conduzida pelo Ministério Público. Esses processos estão parados porque a competência de investigação é questionada em ação que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). Essa ação argumenta que somente a polícia tem poder de investigação. Nesta semana, o MP fez uma megaoperação de combate à corrupção, que, segundo o procurador-geral Roberto Gurgel, foi uma resposta às tentativas de se restringir o poder investigatório do órgão. Um ato também foi realizado em São Paulo contra a PEC 37, uma proposta de emenda à Constituição que tramita no Congresso com a finalidade de limitar a atuação do MP. Noutros estados, promotores também realizam manifestações de protestos contra a proposta. Acho péssimo, péssimo. A sociedade brasileira não merece uma coisa dessas" Presidente do STF, Joaquim Barbosa, ao comentar a possibilidade de restrições ao MP No STF, ao ser julgado, o caso terá "repercussão geral", ou seja, a decisão deverá ser adotada por todos os tribunais de instâncias inferiores. Toda vez que há repercussão geral reconhecida, os juízes têm de aguardar a decisão do Supremo. As informações sobre os 98 processos que pedem a extinção de inquéritos ou ações penais de autoria do MP são dos tribunais que repassaram os dados ao STF. Das 98 ações, 75 são do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, 7 do Superior Tribunal de Justiça (STJ), 7 do TJ do Rio Grande do Sul, 3 do TJ de São Paulo, 3 do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), 1 do TJ do Rio de Janeiro, 1 do TJ de Pernambuco e 1 do TRF-1. Julgamento no STF O Supremo começou a julgar o poder de investigação do MP em junho de 2012 e adiou a análise após dois ministros votarem contra o poder de investigação do MP – Cezar Peluso e Ricardo Lewandowski. O julgamento foi retomado em dezembro, quando cinco ministros votaram a favor de autorizar as investigações – Luiz Fux, Joaquim Barbosa, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Ayres Britto . Ainda faltam os votos de quatro magistrados – Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Dias Toffoli –, mas não há data exata para a retomada da análise. O tema é discutido pelo STF em recurso do ex-prefeito de Ipanema (MG) Jairo de Souza Coelho contra o MP mineiro. Investigado por descumprir decisão do Tribunal de Justiça de Minas que determinava o pagamento de precatórios (dívidas do poder público reconhecidas pela Justiça), o prefeito pediu a anulação da denúncia apresentada pelo Ministério Público. saiba mais Ação em 12 estados é resposta aos que querem restringir MP, diz Gurgel Proposta que tira poder do MP deixa sociedade 'indefesa', afirma Gurgel Procuradores se mobilizam contra proposta que limita o poder do MP Em sua defesa, Coelho questionou a realização de procedimento investigatório criminal pelos promotores da Procuradoria de Justiça Especializada em Crimes de Prefeitos Municipais. Contrárias às investigações criminais por integrantes do MP, a Associação dos Delegados da Polícia Civil de Minas Gerais Adepol-MG) e a Federação Interestadual do Sindicato de Trabalhadores das Polícias Civis (Feipol) assinam a ação protocolada pelo ex-prefeito. Ex-prefeito de Santo André Além desse pedido, o Supremo analisa em conjunto um habeas corpus de Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, acusado pela morte, em 2002, do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel. Ele pede a anulação do processo porque, apesar de a polícia ter concluído pela tese de crime comum (sequestro seguido de morte), o MP de São Paulo entendeu que se tratou de crime político e denunciou Sombra como mandante. Para a Promotoria, Celso Daniel foi morto porque descobriu um esquema de fraude na prefeitura. O processo contra Sombra está parado por decisão do ministro Marco Auréio Mello O MP paulista enviou na última semana ao Supremo um pedido para entrar como parte no recurso com repercussão geral. No documento, o procurador-geral da Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, argumenta que "o estado democrático de direito não se comparece com a ideia de que uma única entidade reúna, em si, todos os poderes investigatórios." "O Ministério Público age com independência, porquanto a Instituição não está condicionada hierarquicamente ao Poder Executivo, como estão as Polícias Judiciárias. Trata-se de atuação regrada, com observância às disposições administrativas internas", afirmou. PEC 37 no Congresso A PEC 37, aprovada em novembro do ano passado em comissão especial da Câmara, estabelece como competência exclusiva da polícia investigar questões criminais. Pelo texto, o MP não poderá mais executar diligências e investigações, apenas solicitar ações no curso do inquérito policial e supervisionar a atuação da polícia. A proposta foi Ao comentar sobre o tema na semana passada, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, que é oriundo do MP, contestou a PEC 37. "Acho péssimo, péssimo. A sociedade brasileira não merece uma coisa dessas." Barbosa já votou no recurso em julgamento no STF e foi contra restringir o MP. Operação do MPF Nesta semana, mais de 150 promotores e 1,3 mil policiais realizaram ações coordenadas pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas em parceria com diversos órgãos estaduais, com o objetivo de desmantelar esquemas criminosos. Esses esquemas seriam responsáveis por desvios de verbas que podem ultrapassar R$ 1,1 bilhão. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que a operação foi uma resposta às tentativas de restrição ao MP. "O MP está se mobilizando em todo o país no sentido de mostrar que o que se deseja com a PEC 37, com a concentração de investigação em um único órgão do estado, a polícia, representará sem dúvida nenhuma um retrocesso gigantesco para a persecução penal e para o combate à corrupção", afirmou o procurador-geral.

    sexta-feira, abril 12, 2013


                                                   Telespectador assíduo

    Ontem  recebi na Aleac a visita de um velho conhecido. Telespectador e fã desse modesto apresentador, o jovem Jonatham é desses cidadãos que ultrapassa todas as dificuldades impostas pela vida.


    Portador de necessidades especiais,  tendo alguns problemas na fala e também nos braços, esse acriano de valor  estuda para buscar o seu espaço no mercado de trabalho.


    Tive o prazer de conhece-lo durante uma de suas visitas a TV Gazeta onde ele fez questão de aparecer ao vivo no Gazeta Alerta e ainda me imitar.


    Como prometi, estou postando a foto.



    Edvaldo Souza cobra ação urgente para evitar chegada de mais imigrantes a Brasileia


      edvaldo110413O deputado Edvaldo Souza (PSDC) afirmou durante a sessão desta quinta-feira, 11, que desde a chegada dos primeiros haitianos em Brasiléia se posicionou contrário à acolhida por parte das autoridades brasileiras. Para ele, a situação pode ficar ainda mais complicada, pois além dos haitianos, estão chegando ao Acre imigrantes de outros países.
      “Nós temos muitos problemas com a nossa população, muitas famílias que enfrentam dificuldades, que sofrem e precisam de nossa atenção. O Governo do Estado tem dado atenção especial aos imigrantes, mas não podemos esquecer que muitas famílias ainda passam fome em nossas periferias”, desabafou.
      Para o parlamentar, caso não seja tomada uma decisão urgente, o Acre pode enfrentar uma verdadeira crise, pois a cada dia novos imigrantes estão chegando. Edvaldo Souza lembrou que a população de Brasiléia está assustada e preocupada, pois serviços essenciais estão um verdadeiro caos.
      “Hoje, além de atender a população do município, os postos de saúde, a segurança pública e outros serviços estão atendendo também os milhares de imigrantes que estão no município. Precisamos agir com rigor e urgência”, disse.
      Edvaldo Souza cobrou uma ação dos órgãos federais, afirmando que o problema não é do Acre, mas sim do Brasil. “Já passaram mais de cinco mil haitianos por Brasiléia. A situação lá é de um verdadeiro caos. Alguns podem ter Hepatite, Coléra e até Aids. O caso é gravíssimo. Temos que, com base na visita de ontem, encaminhar um relatório ou atém mesmo ir à Brasília para cobrar uma ação urgente. O Acre já investiu mais de R$ 2,5 milhões na acolhida dos imigrantes”, afirmou.
      Problemas nos serviços da Eletrobrás
      Edvaldo Souza também cobrou melhorias nos serviços prestados pela Eletrobrás Distribuição Acre. Apresentando reclamação de uma consumidora, o parlamentar disse que os problemas vão desde o atendimento ao cliente até os serviços de fornecimento de energia.
      “O que essa empresa presta aqui é um verdadeiro desserviço à nossa população. Conversando com uma senhora, ela me relatou que além dos péssimos serviços, apagões e outros problemas, a empresa trata mal os consumidores”, destacou.

      Foto: J. Simão
      Agência Aleac




      “A rota está traçada, o caminho está aberto”, diz Edvaldo Souza quanto a questão dos haitianos

      E-mailImprimirPDF
      EDVALDOOOOOOA questão dos haitianos ainda rendeu na sessão ordinária desta quinta, 11, na Aleac. Os deputados Edvaldo Souza (PSDC) e José Luís Tchê (PDT) comentaram sobre o assunto. Segundo os parlamentares, uma medida efetiva deve ser tomada para que se evite a entrada de mais imigrantes em solo brasileiro.
      Edvaldo Souza afirmou que desde que os primeiros imigrantes começaram a aportar no Acre que ele vem alertando para a necessidade de medidas mais práticas para o caso. Ainda de acordo com ele, não é justo que, no Acre, ‘tenham-se pessoas passando por necessidades, enquanto temos que tratar de mais um problema: os haitianos’.
      “Quando começaram chegar aqui os primeiros haitianos, eu disse que tínhamos tanto problemas já aqui, e que tínhamos brasileiros passando necessidade. Eles tomam café, almoçam e jantam, enquanto em Brasiléia tem gente sem comer”, pontua o parlamentar.
      Ainda para o parlamentar, há acordos internacionais, porém, não são cumpridos. O governo brasileiro precisa tomar uma posição mais firme e cobrar dos países como Equador, Peru e Bolívia que haja uma revisão e um cumprimento desses atos, salienta o deputado em seu pensamento.
      “Estamos com uma bomba relógio em nossas mãos. Se não dermos um basta agora, continuará vindo. A rota está traçada, o caminho está aberto. O Estado não tem condições de tratar sozinho. Fechar as fronteiras é uma solução? Não sei, precisamos analisar. O caso é gravíssimo”, finalizou.
      Luís Tchê, entretanto, em seu pronunciamento, ressaltou que em março de 2012 esteve em Brasiléia e levantou a questão dos haitianos e elaborou um relatório, mas a Aleac não fez caso do documento. Para ele, se o alerta tivesse sido ouvido, hoje não se teria esse impasse. “Sobre a ida dos parlamentares a Brasiléia, ontem, 10, quero dizer que em março de 2012 fiz um relatório sobre a questão dos haitianos e apresentei a essa Casa”.
      Ainda sobre o discurso de Luís Tchê, o deputado se irritou quando o presidente da Mesa, deputado Jamil Asfury (PEN) (1º vice-presidente) disse que seu tempo havia acabado. Tchê sugeriu uma revisão quanto tempo utilizado por cada deputado.

      quinta-feira, abril 11, 2013


                                                  A Fronteira e os Haitianos                                                               
        


      A viagem realizada pelos deputados estaduais a região de fronteira serviu para que todos pudessem verificar in loco a situação vivida pelas comunidades de Brasiléia e Epitaciolândia, que a cada dia se torna mais sufocante com a chegada de pessoas do Haiti, Bangladesh, Senegal e República Dominicana.

      Desde 2010 com a chegada dos primeiros haitianos que o governo do  Acre busca uma solução em nível institucional, com as autoridades de Brasília dando pouca atenção para um problema que se avolumou e ficou insustentável.

      Por outro lado temos os haitianos, quase que todos extremamente pobres em busca de um lugar ao sol sendo enganados pelos  coiotes que vendem a todos eles a falsa impressão que o Brasil é o País das grandes oportunidades.

      Por Brasiléia mais de cinco mil haitianos já passaram e atualmente mais de mil e duzentos lotam um antigo clube. Reclamam  das condições de acomodação ,do arroz, da carne mal passada, da demora na liberação de documentos, enfim, existem reclamações de todos os lados. O fluxo migratório parece não ter fim. Ontem mesmo mais vinte e dois haitianos chegaram a Brasiléia. Encontra-se com eles em todos os lugares. Bancos, Correios. parques e centro da cidade.

      Profissionais médicos já temem pela disseminação do vibrião colérico, hepatites e Aids pois há evidências de  casos dessas doenças.

      Por outro lado as reclamações da comunidade de Brasiléia começam a ganhar uma nova dimensão, uma vez que constantemente imigrantes são encontrados urinando e defecando ao ar livre próximo a residências.

      O problema deve ser resolvido urgentemente pelo governo Brasileiro e o tempo se exauri para que medidas efetivas sejam tomadas.

      O Estado já gastou mais de dois milhões de reais, dinheiro que poderia ter sido investido em nossas comunidades da periferia que são quase sempre carentes.

      Entendo que os acordos internacionais de ajuda humanitária devem ser preservados, porém, o Acre é um estado reconhecidamente pobre e sozinho não conseguirá  solucionar esse problema.



                                                 O risco do avanço

      Janio de Freitas

      O risco é grande e, pior ainda, crescente. O que pode suceder quando um alvejado por agressões orais do presidente do Supremo Tribunal Federal usar o direito de reagir à altura, como é provável que acabe acontecendo? Em qualquer caso, estará criado um embaraço extremo. Não se está distante nem da possibilidade de uma crise com ingredientes institucionais, caso o ministro Joaquim Barbosa progrida nas investidas desmoralizantes que atingem o Congresso e os magistrados.
      O fundo de moralismo ao gosto da classe média assegura às exorbitâncias conceituais e verbais do ministro a tolerância, nos meios de comunicação, do tipo "ele diz a coisa certa do modo errado" --o que é um modo moralmente errado de tratar a coisa errada. Não é novidade como método, nem como lugar onde é aplicado.
      Nem por isso o sentido dos atos é mudado. "Só se dirija a mim se eu pedir!" é uma frase possível nas delegacias de polícia. Dita a um representante eleito da magistratura, no Supremo Tribunal Federal, por seu presidente, é, no mínimo, uma manifestação despótica, sugestiva de sentimento ou pretensão idem. Se, tal como suas similares anteriores, levou apenas a mais uma nota insossa dos alvejados, não faz esperar que seja assim em reedições futuras desses incidentes.
      Afinal, quem quer viver em democracia tem o dever de repelir toda manifestação de autoritarismo, arbitrariedade e prepotência. É o único dever que o Estado de Direito cobra e dele não abre mão.

      sexta-feira, abril 05, 2013




      Edvaldo Souza cobra soluções para a Estação de Tratamento de Água de Sena Madureira

      José Pinheiro
      O deputado Edvaldo Souza (PSDC) utilizou a tribuna da Aleac na manhã desta quinta-feira, 4, para cobrar soluções do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) quanto ao ‘abandono’ que se encontra a Estação de Tratamento de Água, em Sena Madureira. Segundo o parlamentar, o muro que protege a estação há 10 anos tombou e o local está com acesso livre para usuários de entorpecentes.
      “A Estação de Tratamento de Água em Sena Madureira deveria ser um local protegido, mas há 10 anos o muro caiu. Está tudo no aberto e os dependentes químicos fumam maconha em cima das caixas d’água. Se houver uma contaminação quem será o responsável? O Estado, o Depasa. Não posso ficar calado diante disso”, pontuou o parlamentar.
      Após o pronunciamento do deputado Walter Prado (PEN) sobre a vinda dos sem tetos à Aleac, o deputado Edvaldo Souza também se manifestou favorável a Indicação do colega parlamentar, para que o fato seja tratado de modo social sem uso da força policial.
      “Sou solidário a Indicação. Sou solidário as famílias, porque ninguém invade terra porque quer. Temos que ter a sensibilidade da necessidade habitacional no nosso Estado. Fico preo-cupado com pessoas que recebem a casa e não precisam”, argumentou.
      Ainda para Edvaldo Souza, o diagnóstico social não condiz com a realidade e precisa ser repensado para que os mais humildes sejam atendidos pelos programas habitacionais do governo Estadual e Federal.
      “O diagnóstico social ele contém equívocos. Não podemos encobrir isso. Essas casas são de qualidades duvidosas. Precisa de uma maior fiscalização. São necessárias, sabemos disso. Eu defendo pobre, não defendo rico”, salientou o deputado em tom de desabafo.


      Edvaldo Souza defende política habitacional para os pobres e mais inclusão social

      • PDF

      O deputado estadual Edvaldo Souza (PSDC) demonstrou ontem, durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, toda sua preocupação com mais de cem famílias ocupam de forma irregular a área do entorno do bairro Caladinho. Ele afirmou que a questão habitacional é, acima de tudo, um problema social e assim deve ser tratada.

       PARLAMENTAR ressalta importância da Cidade do Povo e pediu ao governo prioridade aos mais humildes - Foto: Odair Leal
      PARLAMENTAR ressalta importância da Cidade do Povo e pediu ao governo prioridade aos mais humildes - Foto: Odair Leal
      Edvaldo Souza usou o seu tempo na tribuna para pedir ao governo do Estado que faça um diagnóstico das famílias que ocupam a área e a partir daí se encontre uma alternativa para solucionar o problema.
      "A construção da Cidade do Povo é um grande marco para o povo acreano, porém se faz necessário colocar nessas casas quem efetivamente precise de moradia", disse o parlamentar.

      Alerta

      Edvaldo Souza aproveitou o discurso para alertar as autoridades sobre a Estação de Tratamento de Água de Sena Madureira, que segundo ele não dispõe de muro de proteção, o que possibilita a vândalos o acesso à estação para uso de entorpecentes.
      "A qualquer momento algum maluco pode resolver envenenar a água, o que pode acarretar muitas mortes", disse Edvaldo Souza.

      quinta-feira, abril 04, 2013

              PSDC  traça planos para o interior e define metas

      Membros   da Executiva Estadual do Partido Social Democrata Cristão (PSDC) estiveram reunidos hoje a noite tratando do fortalecimento da agremiação no interior do estado visando as eleições de 2014. Durante a reunião ficou decidido que a meta é criar as condições necessárias para que os diretórios municipais possam colocar em prática tudo o que foi planejado.
      Debateu-se também todo  o esforço que deve ser feito para a realização do Congresso Nacional do PSDC que será realizado em Rio Branco durante o mês de maio.
      Se fizeram presentes a reunião os deputados estaduais Edvaldo Souza e Eber Machado  os vereadores Artêmio e Graça da Baixada, o subsecretário  municipal de Desenvolvimento Urbano Assur Mesquita e o presidente da Executiva Estadual Afonso Vasconcelos. Ao final da reunião os integrantes da Executiva receberam a visita do jornalista Antônio Klemer que falou da sua admiração pelo partido como reconheceu o trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo dos anos.

      (Assessoria)

      terça-feira, abril 02, 2013




      Congresso anual do PSDC será realizado no Acre este ano

        
      • PDF
      Edvaldo-souza
      Deputado Edvaldo Souza diz que partido já tem estratégia montada para 2014 (Foto: Arquivo)

      Pela primeira vez na história, o Partido Socialista Democrático Cristão - PSDC, vai realizar no Acre, em maio deste ano, o congresso anual da legenda, com a presença dos dirigentes nacionais do partido e militantes de todo o país.

      A direção local do PSDC já prepara o evento, na expectativa de que a Capital do Acre seja palco para as discussões políticas que vão delinear os rumos do partido para os próximos dois anos.
      “A direção nacional nos convidou para sediar esse evento com a presença dos deputados do partido de vários estados e do nosso presidente nacional, deputado constituinte José Maria Eymael, que também vai estar aqui”, declara o deputado estadual Edvaldo Souza (PSDC).    
      Atualmente, o PSDC do Acre conta com dois deputados estaduais e cinco vereadores em Rio Branco e municípios do interior. Recentemente, a direção da legenda iniciou um movimento em busca de novas filiações na Capital e interior do Estado.
      O congresso nacional do PSDC que será realizado no Acre é também uma preparação do partido para as eleições do ano que vem no estado. O PSDC pretende disputar com chapa própria as eleições proporcionais, mantendo as duas cadeiras que já tem no parlamente e até ampliando o número de deputados na ALEAC.
      “Nossa estratégia já está montada, teremos vários candidatos, bons nomes, que poderão representar bem nosso partido na Assembleia”, afirma o deputado Edvaldo Souza (PSDC).