sexta-feira, fevereiro 07, 2014

Chagas Romão e Edvaldo Souza questionam preços de tarifas aéreas no Acre

E-mailImprimirPDF

O deputado Chagas Romão (PMDB) também utilizou seu tempo de tribuna na sessão de ontem, quarta-feira, 05, para criticar o aumento nas tarifas aéreas. O peemedebista sugeriu que se faça um movimento via bancada federal para que consulte junto a Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Infraero os preços cobrados aos usuários para verificar se estão de acordo com a tabela nacional.
 O parlamentar colocou em suspeição que os altos preços das passagens aéreas, no Acre, são por conta das péssimas condições da pista de voos e decolagem do Aeroporto Internacional de Rio Branco. O deputado argumentou que os acreanos não podem ficar refém das empresas que prestam serviços ao Estado.
“Não podemos ficar presos a essa situação. Vamos saber o que for. Se é pelas péssimas condições da pista. Vamos fazer uma ação nesse sentido para reverter isso. As nossas passagens estão muito caras”.
 Em aparte, o deputado Edvaldo Souza (PSDC) comentou que as acomodações do Aeroporto Internacional de Rio Branco são péssimas e para complicar ainda mais a vida dos usuários, as duas empresas que fazem voos para o Acre estão com horários de chegada próximo uma da outra. Ou seja, provocando maior tempo de espera no embarque e desembarque de passageiros.
“Não seria nada estranho se chamássemos o Aeroporto Internacional de Rio Branco de Aeroporto Intermunicipal. Falta acomodações. Os voos da TAM e da Gol estão nos mesmos horários e aí fica um Deus nos acuda. As esteiras rolantes não funcionam”.
 Edvaldo Souza disse que não tem visto preocupação da bancada federal em relação ao problema, já que a legislação sobre aeroportos e portos é federal, portanto, um dever dos senadores e deputados federais intervirem na questão, segundo o deputado.
 Ainda em sua análise, Souza acrescentou ser um absurdo os horários de voos pela madrugada. Ele classificou-os como voo de lobisomem pelo adiantado da hora, ou seja, geralmente a meia-noite. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário