quinta-feira, agosto 29, 2013

Deu no site AGAZETA.NET

Conversão de multa em advertência anunciada pelo Detran já existia desde o ano passado 

  • PDF

A polêmica sobre o funcionamento dos radares eletrônicos e o alto número de multas emitidas contra os motoristas da capital ganhou força no início deste mês, quando a Assembleia Legislativa entrou na briga contra o que os deputados de oposição chamaram de ´indústria da multa’.
Mas foi o deputado governista Edvaldo Souza (PSDC) quem solicitou ao Detran um relatório sobre o funcionamento dos radares, que ainda não foi enviado. O deputado Walter Prado(PEN), também da base do governo, anunciou que iria convidar a diretora do Detran para vir à Assembleia prestar esclarecimento.
Nesta quarta-feira, 28, ele recuou, dizendo que o órgão já se mostrou sensível ao problema. “Acho desnecessário a presença dela, porque já está tomando as medidas que o governador determinou”, declarou Prado.
Esta semana, o Detran anunciou como novidade a possibilidade das multas oriundas das infrações graves ou médias serem convertidas em advertência, a pedido do condutor multado. Mas o órgão apenas deu publicidade a um direito que já era facultado aos motoristas desde o ano passado.
Em junho do ano passado, o Denatran publicou uma resolução permitindo ao condutores a converter multas de infrações leves ou médias em advertência. Mas para deixar de pagar a multa o condutor não pode ter cometido nenhuma outra infração de trânsito nos últimos 12 meses. Ainda segundo a resolução, ficou a critério de cada estado regulamentar a medida.
A reclamação de muitos condutores contra os radares eletrônicos é justamente contra o excesso de multas individuais. Há casos em que um mesmo motorista foi multado 16 vezes por um mesmo equipamento.  E nesse caso converter apenas uma das multas em advertência não é grande coisa. Para alguns deputados a briga não terminou.
“É outra discussão que vai ser levantada a posteriori como isso vai ser equacionado e como vai ser resolvido”, afirma o deputado Edvaldo Sousa(PSDC).

Nenhum comentário:

Postar um comentário