sexta-feira, agosto 09, 2013



Edvaldo Souza quer abrir “caixa-preta” do Detran

E-mailImprimirPDF
 O deputado Edvaldo Souza (PSDC) disse em seu pronunciamento que o Detran/AC deixou de ser um órgão fiscalizador e de educação para ser um órgão de arrecadador. O parlamentar criticou o uso excessivo de radares eletrônicos nas vias do Estado.
“Os radares são máquinas de fazer dinheiro. Que o Detran me apresente números que a instalação de radares contribuíram para a diminuição dos acidentes de trânsito. Dizer que reduziram é uma grande bobagem. A imprensa mostra isso todos os dias, os acidentes acontecendo”, disse o parlamentar.
 Souza afirmou também que se instalou em Rio Branco a indústria da multa. “Vejo com preocupação a indústria das multas. O dinheiro está indo para onde? Qual o investimento feito nesse sentido? Temos que abrir a caixa preta do Detran”, afirmou.
 O parlamentar apresentou requerimento junto a Mesa Diretora da Aleac solicitando ao Detran/AC um comparativo das arrecadações em multas de 2012 e 2013.  Ele solicitou, também, cópias de contratos, além de acesso a todas as planilhas do processo licitatório.
 Alguns parlamentares da base governista questionaram a atitude de Souza, entretanto, o parlamentar disse que é uma prerrogativa do deputado estadual, prevista no Estatuto do Aleac, em que o parlamentar deve pedir dos gestores públicos informações sobre seus atos.
“Respeito a cada deputado aqui. Entretanto, eu não tenho o dom de lamber botas e nem sou puxa-saco. Sou jornalista profissional. Isso é uma prerrogativa minha enquanto deputado”, disparou o parlamentar.
 Edvaldo Souza questionou também a atuação parlamentar e o descumprimento da Lei de sua autoria que afirma proíbe o descarregamento de valores em vias públicas, ou seja, os carros-fortes em agências bancárias.
 “Quero saber o por que do descumprimento dessa Lei aprovada aqui nesta Casa Legislativa. Cadê os órgãos fiscalizadores? Eu fico me perguntando o que é que estamos fazendo aqui. Qual o nosso papel, se o que aprovamos não é levado em consideração”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário